CONTATO

Após um tempo sem computador, peço desculpas pela dificuldade em me contatar. Endereço de e-mail já atualizado (no meu logo aí em cima).

joao.bottcher@yahoo.com.br

Pra quem perguntou de minha história: sou formado em historia com especialização em restauração, restaurar é minha profissão sim, exerço desde 2010, já mais de 400 restaurações por todo o Brasil e até exterior.

Compra, venda, troca, avalio, encontro bicicletas que o cliente deseja, pinturas originais, especiais ou personalizadas. Cromagem de peças, restaurações completas, peças, acessórios.

Meu lema: nunca parar de aprender, se aprimorar, buscar ser o melhor! Amo o que faço!

Minha oficina localiza-se no município de Rancho Queimado, Santa Catarina.


E começamos 2018 com tudo!!!








Alguns trabalhos 2017























Ahh...se eu soubesse!



Sou fã de antiguidades desde meus 10-11 anos de idade. Sempre gostei de móveis, carros, bicicletas, som, decoração, tudo que fosse antigo. Com 12 anos já ia a eventos de carros antigos. Com 17 tinha moto antiga e com 22 carro e moto antigos. Hoje com 36 minha profissão se baseia totalmente em antiguidades: restauração. Conheço, tenho cliente e amigos que também gostam, sei do lado bom e também do lado ruim desse ramo. Já ganhei dinheiro comprando e vendendo e também já perdi dinheiro. Enfim, não vou afirmar que “respiro” antiguidades, mas digo que tenho contato diário com o ramo.

Não sei se por conta da idade, de mais sensatez ou bom senso, ou de mais fator irritabilidade em meu comportamento, ou ainda por conta da conjuntura econômica brasileira... ou a soma de tudo isso... mas cheguei à uma conclusão à que deveria ter chego há tempos atrás: realmente possuir alguma antiguidade não compensa! Não estou generalizando! Mas de fato possuir alguns itens não é nada bom para sua vida, seja relacional, psicológica ou o principal: financeira.

Não estou falando daquele item imaculado, original ou restaurado, onde você senta e aprecia, usa e não tem decepções, dores de cabeça ou coisa do tipo. Se tens bicicleta original ou restaurada já prontinha, completa, é só usar! Seus gastos praticamente acabaram com ela, é só curtir. Ou ainda aquele carro antigo restaurado, onde só tem o gasto com manutenção normal e preventiva e documentos. É só curtir e massagear o ego ao dar uma volta e receber elogios. Ou ainda aquele móvel ou pintura ou decoração: estão lá na parede, é só olhar e curtir.

Estou falando dos “enrosco”, dos “problemas”, das “lata velhas”. De todos carros antigos que tive, apenas um VW estava original e impecável. Era só fazer manutenção preventiva e usar. Era um carro novo, uma beleza. O resto... Das motos a mesma coisa: apenas uma original e impecável  só me trouxe alegrias e lucro ao vender. As demais... Se eu tivesse esse senso crítico ao invés de uma cabeça sonhadora ou olhos apaixonados para umas porcarias... eu teria tido uma enorme economia de tempo, dinheiro, dores de cabeça e incomodação. É por isso que escrevo esse texto. E explico!

Vou dar um exemplo: tive um chevette 1979. Bonito e com cara de original, mas faltavam inúmeros detalhes estéticos. Coisa pequena e que passa despercebido numa compra, mas aos olhos apaixonados do dono... “eu vou comprar essa pecinha”. Nessa brincadeira, eu só comecei e... R$ 300,00 de gastos com peças paralelas. Leia-se: peças que não encaixam direito, acabamento as vezes sofrível, desgaste rápido. Andava mas precisa de revisão: R$ 400,00. Pneus diferentes entre si, uma ferrugem aqui e ali, riscos, amassados, carpete fedendo, lâmpadas que queimam, escapamento que estoura, bateria termina de repente... A lista tornou-se enorme e o carro continuava igual: eu não fiz motor, pintura completa, ou interior novo!! Na verdade ao colocar itens que faltavam mas eram paralelos ruins, eu tinha a impressão que o carro piorava ao invés de melhorar, e o dinheiro e tempo e minha paciência estavam sendo drenados...

Decidi vender: perdia mais de mil reais entre a compra e investimentos estéticos. Não computei documentos, revisões mecânicas. Recebi uma oferta, topei! Dinheiro na mão: não tenho mais o carro, não entrou nada na troca, não terei que emplacar, revisar e sei lá mais o quê em outro carro ou moto antigos.

Se você for parar e colocar na ponta do lápis verá que sim: carro, moto e até mesmo algumas outras antiguidades (bicicletas, som, armas, instrumentos musicais) são uma fonte de gastos sem fim, dores de cabeça, ansiedade, alegrias e também desilusões. Antes de entrar ou reentrar nesse ramo, pense duas vezes, analise 10 vezes se vale a pena, se estas disposto a encarar essa jornada que muitas vezes acabarão em gastos, frustação, desilusão e a conclusão de que é legal e bonito... na mão dos outros!