2016

Apesar da crise, já vários trabalhos prontos. Em breve mais pinturas e restaurações completas. 
Vamos que vamos!!!










EU ACREDITO EM COISAS DURÁVEIS II


O texto “Eu acredito em coisas duráveis”, um dos primeiros que publiquei no blog “Oficina das Clássicas”, teve boa repercussão. Foi curtido e compartilhado em redes sociais algumas vezes. Uma ode à nostalgia dos bens duráveis e profundamente contra o descartável, seja falando de bens materiais, seja falando de vidas.

Bom, infelizmente o descartável e o efêmero estão aí: dominam bens, música, artes, estilos, relacionamentos, fé... Contra o descartável, o durável. Mas o que é durável? Parece estranho, mas essa confusão existe. O cara quer comprar um carro, e vai se informar se o carro é bom mesmo. Ele vai quebrar logo? Ele vai dar muita manutenção?? Ali está a pergunta: esse troço é durável? Um cliente queria comprar uma bicicleta norte americana dos anos 90 e antes de fechar negócio me mandou fotos da bike e a questão: ela é boa mesmo? Ela vai durar?

Obvio que tudo tem um fim! Seu carro, sua casa, sua bicicleta, seu rádio, sua vida. Tudo tem um tempo determinado e um dia vai acabar. Fato! Um amigo restaurou uma bicicleta sueca em um concorrente meu. Ficou linda! Dois anos depois ela quebrou no meio!! Ora, estamos falando de uma bicicleta antiga, boa e durável. Mas... o dia dela chegou. Foi desmontada e suas peças foram dar um fôlego a outras semelhantes. Aquela bicicleta chegou ao final de sua durável vida.

Mas outras não quebram no meio e seguem a vida. O durável é também relativo. Algumas bicicletas duram mais que outras, carros duram mais que outros. Por quê? O durável depende de um fator: CUIDADO! Tem aquele ditado: “quem ama cuida”. Faz todo sentido nisso que estamos falando. Minha família teve uma Palio Weekend. Em si não é uma super máquina, e sabemos que é um carro popular cujo tempo de vida útil não é lá gigantesco. Até dar os primeiros “probleminhas chatos” lá se foram 170 mil km e 11 anos. Muitas semelhantes à ela estavam muito deterioradas com 5 ou 6 anos de uso. A nossa durou mais... foi bem cuidada!


O cuidado demanda mais duas coisas: tempo e investimento. Experimente deixar sua planta sem água alguns dias a mais... Experimente não trocar a correia dentada do motor a cada 50 mil km... Experimente não sanar aquele “tec-tec” na bike... Experimente não dedicar tempo ao relacionamento...  Há coisas mais duráveis que outras, há coisas mais bem construídas que outras, mas sem o devido cuidado... tchau! Eu acredito em coisas duráveis e também acredito que é preciso cuidar de tudo, senão o durável vira efêmero e passageiro rapidinho. Como você tem cuidado de suas coisas? De seus relacionamentos? De sua saúde? Fica a reflexão.